Capitalismo ou comunismo?

Capitalismo ou comunismo não é um bom título. Mas não tive imaginação para outro. Como temos falado, não queremos aqui decidir o que é bom ou mau, nem qual a melhor escolha para cada um (e muito menos o voto político!). Queremos, sim, criar curiosidade para estimular a aquisição autónoma de competências a nível da literacia financeira, e perceber a diferença entre estes dois conceitos opostos para conseguirmos posicionar-mo-nos algures entre os extremos e fundamentar algumas das nossas decisões.

Recomecemos então.

"A riqueza das sociedades em que domina o modo-de-produção capitalista apresenta-se como uma "imensa acumulação de mercadorias".1 A análise da mercadoria, forma elementar desta riqueza, será, por conseguinte, o ponto de partida da nossa investigação.

A mercadoria é, antes de tudo, um objecto exterior, uma coisa que, pelas suas propriedades, satisfaz necessidades humanas de qualquer espécie. Que essas necessidades tenham a sua origem no estômago ou na fantasia, a sua natureza em nada altera a questão.2 Não se trata tão pouco aqui de saber como são satisfeitas essas necessidades: imediatamente, se o objecto é um meio de subsistência, [objecto de consumo,] indirectamente, se é um meio de produção."

Karl Marx - O Capital (1867; retirado hoje daqui).

A noção de capital e da sua forma de transmissão são essenciais para compreendermos a função do dinheiro. Como já mencionado o dinheiro é apenas um meio de transmissão de propriedade entre dois agentes. Pensem que estão no meio do deserto e têm um pequeno negócio de venda de areia. Prevêem muitos lucros? E se estiverem nesse deserto com um milhão de euros e sem água, consideram-se ricos? A que preço vos venderá, a única possua que encontrarem, a água que ela traz? A noção de valor é totalmente distinta do dinheiro em si, dependendo do produto e do contexto em que é transaccionado.

Resumindo: acumular dinheiro, não é garantia de que ao longo do tempo conseguiremos adquirir as mesmas mercadorias, pelo que é uma forma ineficaz de assegurar a subsistência futura, principalmente numa sociedade pouco estável.

Daí a importância de percebermos o conceito de capital. De mercadoria. Quando o banco me empresta dinheiro, qual o meu capital que vai servir de garantia até eu devolver a quantia? Quando invisto dinheiro, que capital estou a adquirir?

Deve toda a mercadoria ser adquirível, ou deverão alguns bens ser assegurados por todos e para todos?

É todo o capital palpável?

Deixo então sugestão de enumerarem todos os tipos de mercadoria existentes, pensarem se vos faz sentido que haja um pagamento sobre a mesma para terem acesso a ela e se o preço que estariam disponíveis a pagar pela mesma é o preço a que efectivamente é vendida. É esta a base da reflexão do capitalismo (em que toda a mercadoria é transaccionável por ser de propriedade privada) e do comunismo (em que nenhuma mercadoria é transaccionável, pois toda a mercadoria é propriedade comum).

 

 

No Comments Yet.

Leave a reply